Laboratório

Roche

Apresentação de Bonviva

compr. rev. de 150 mg. Uso oral. cx. c/ 1 compr.

Bonviva – Indicações

Bonviva (ibandronato de sódio) 150 mg é indicado para o tratamento da osteoporose pós-menopausa, com a finalidade de reduzir o risco de fraturas vertebrais.Em um subgrupo de pacientes de risco, com escore T <-3,0 DP no colo do fêmur, Bonviva (ibandronato de sódio) também demonstrou reduzir o risco de fraturas não vertebrais.Tratamento da osteoporose: a osteoporose pode ser confirmada pelo achado de baixo índice de massa óssea (escore T < -2,0 DP) e pela presença de histórico de fratura osteoporótica ou de baixo índice de massa óssea (escore T < -2,5 DP) na ausência de fratura osteoporótica pré-existente documentada.

Contra-indicações de Bonviva

Bonviva (ibandronato de sódio) é contra-indicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao ibandronato de sódio ou aos demais componentes da fórmula do produto e em pacientes com hipocalcemia não corrigida (ver item Advertências).

Advertências

Advertências e precauções:- Bonviva (ibandronato de sódio) é contra-indicado em pacientes com hipocalcemia não corrigida. Antes de iniciar o tratamento com Bonviva (ibandronato de sódio), deve-se tratar efetivamente a hipocalcemia e outros distúrbios do metabolismo ósseo e mineral. A ingestão adequada de cálcio e vitamina D é importante em todos os pacientes.- O uso dos bisfosfonatos associa-se a disfagia, esofagite e úlceras esofágicas ou gástricas. Por isso, os pacientes devem prestar especial atenção e serem capazes de seguir as instruções de administração e modo de usar (ver Modo de usar e Posologia).- O médico deve estar alerta aos sinais e sintomas que apontam para uma possível reação esofágica durante o tratamento e as pacientes devem ser instruídas a interromper o uso de Bonviva (ibandronato de sódio) e procurar atendimento médico se desenvolverem sintomas de irritação esofageana, tais como disfagia, piora de disfagia pré-existente, dor à deglutição, dor retroesternal ou queimação epigástrica.- Considerando-se que antiinflamatórios não esteróides e bisfosfonatos associam-se, ambos, a irritação gastrintestinal, recomenda-se cautela durante a administração concomitante de antiinflamatórios não esteróides e Bonviva (ibandronato de sódio).- Osteonecrose de mandíbula foi relatada em pacientes tratados com bisfosfonatos. A maioria dos casos ocorreu em pacientes oncológicos submetidos a procedimentos dentários, mas alguns casos ocorreram em pacientes em tratamento para osteoporose pós-menopausa e outros diagnósticos. Fatores de risco conhecidos para osteonecrose de mandíbula incluem diagnóstico de câncer, terapias concomitantes (por exemplo, quimioterapia, radioterapia, corticosteróides) e distúrbios concomitantes (por exemplo, anemia, coagulopatia, infecção, doença dentária preexistente). A maioria dos casos foi relatada em pacientes tratados com bisfosfonatos de administração intravenosa mas também em alguns pacientes tratados com bisfosfonatos orais.- Para pacientes que desenvolvam osteonecrose de mandíbula durante a terapia com bisfosfonatos, cirurgias dentárias podem agravar a condição. Para pacientes que necessitem de procedimentos dentários, não há dados disponíveis indicativos de que a interrupção do tratamento com bisfosfonatos reduza o risco de osteonecrose de mandíbula. O julgamento clínico do médico deve orientar o plano de tratamento sobre como proceder com cada paciente baseado na avaliação individual de risco/benefício.- Embora a análise de subgrupos de pacientes com e sem doenças do trato GI superior mostrou que o uso de ibandronato oral não aumentou o risco de eventos adversos no trato GI superior em comparação ao placebo ou ao ibandronato 2,5 mg por dia em pacientes com histórico prévio de doenças GI, recomenda-se cautela ao se administrar Bonviva (ibandronato de sódio) a pacientes com histórico de distúrbios no trato gastrintestinal superior.- Vários estudos de farmacologia clínica foram conduzidos para avaliar a segurança renal do ibandronato após administração IV em indivíduos saudáveis e em pacientes com diversos graus de insuficiência renal. Doses únicas de ibandronato de até 6 mg, administradas por via intravenosa durante 15 a 60 minutos a indivíduos saudáveis foram bem toleradas, sem nenhum efeito aparente sobre a função renal. Esta última dose representa aproximadamente 4 e 8 vezes, respectivamente, a AUC e a Cmax do esquema oral de 150 mg de ibandronato, considerando-se a biodisponibilidade oral de 0,6%. Em pacientes com insuficiência renal severa (depuração de creatinina <30 mL/min), apesar de um aumento de 2 a 3 vezes na exposição sistêmica média ao ibandronato para uma determinada dose, não houve redução da tolerabilidade ou aumento de efeitos renais adversos associados a este aumento na exposição. Ibandronato foi bem tolerado em indivíduos com graus variados de insuficiência renal, incluindo indivíduos com insuficiência renal severa (depuração de creatinina <30 mL/min), insuficiência renal moderada (depuração de creatinina 40 a 70 mL/min) e em pacientes com doença renal em estágio final. Entretanto, Bonviva (ibandronato de sódio) só deve ser usado em pacientes com insuficiência renal severa a critério do médico assistente e se os riscos associados à administração justificarem os benefícios.- Relatos na literatura médica indicam que os bisfosfonatos podem estar associados a inflamação ocular como uveíte e esclerite. Em alguns casos, tais eventos não desapareceram até que o bisfosfonato tenha sido descontinuado.

Uso na gravidez de Bonviva

Gestação categoria B. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.Não há evidências de efeito teratogênico ou efeito tóxico fetal do ibandronato de sódio em ratos e coelhos tratados diariamente por via oral e não foram observados efeitos adversos sobre o desenvolvimento das crias das gerações F1 em ratos. Os efeitos adversos do ibandronato de sódio em estudos de toxicidade reprodutiva em ratos foram aqueles observados para os bisfosfonatos como classe e incluem diminuição do número de locais de implantação, interferência com o parto natural (distócia) e aumento nas variações viscerais (síndrome pelve-ureter). Não foram realizados estudos específicos para o esquema de administração mensal. Não há experiência sobre o uso clínico de Bonviva (ibandronato de sódio) em mulheres durante a gestação.Bonviva (ibandronato de sódio) não deve ser utilizado por mulheres que estejam amamentando sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.Em ratas lactantes tratadas com ibandronato de sódio na dose de 0,08 mg/kg/dia i.v, a concentração mais elevada de ibandronato de sódio no leite foi de 8,1 ng/mL e foi observada dentro das 2 primeiras horas após a administração intravenosa. Depois de 24 horas, a concentração no leite e plasma foi semelhante e correspondeu a cerca de 5% das concentrações medidas após 2 horas. Não se sabe se Bonviva (ibandronato de sódio) é excretado pelo leite humano.

Interações medicamentosas de Bonviva

Interações com alimentosA presença de alimentos ou produtos que contenham cálcio e outros cátions (tais como alumínio, magnésio, ferro) incluindo leite e alimentos, provavelmente interferem com a absorção de Bonviva (ibandronato de sódio) consistentemente com os achados dos estudos em animais. Portanto, a ingestão de tais produtos e alimentos deve ser postergada em 60 minutos após a administração oral de Bonviva (ibandronato de sódio).Interações medicamentosasÉ provável que suplementos à base de cálcio, antiácidos e alguns medicamentos orais contendo cátions multivalentes (tais como alumínio, magnésio e ferro) interfiram com a absorção de Bonviva (ibandronato de sódio). Portanto, os pacientes devem esperar 60 minutos após ingerirem Bonviva (ibandronato de sódio) antes de tomarem outros medicamentos orais.Foi demonstrada, em estudo de interação farmacocinética em mulheres na pós-menopausa, a ausência de qualquer interação potencial com tamoxifeno ou tratamentos de reposição hormonal (estrogênio). Não se observou interferência quando Bonviva (ibandronato de sódio) foi administrado concomitantemente com melfalano/prednisolona em pacientes com mieloma múltiplo.Em voluntários sadios masculinos e mulheres na pós-menopausa, a ranitidina intravenosa causou aumento na biodisponibilidade do ibandronato de sódio de cerca de 20%, provavelmente como resultado da redução da acidez gástrica. Entretanto, uma vez que esse aumento se manteve dentro da variação normal da biodisponibilidade do ibandronato de sódio, não é necessário ajuste de doses quando Bonviva (ibandronato de sódio) for administrado com antagonistas dos receptores H2 ou outras substâncias que aumentem o pH gástrico.Em relação à distribuição, não são consideradas prováveis interações medicamentosas clinicamente significativas, uma vez que o ibandronato de sódio não inibe as principais isoenzimas do sistema hepático do citocromo P450 humano e não induziu o sistema do citocromo P450 hepático em ratos. Além disso, a ligação às proteínas plasmáticas é baixa nas concentrações terapêuticas de ibandronato de sódio e, portanto, é improvável o deslocamento de outras substâncias. O ibandronato de sódio é eliminado apenas por excreção renal e não sofre biotransformação. A via secretória parece não incluir sistemas de transporte ácidos ou básicos envolvidos na excreção de outras substâncias.Em um estudo com duração de um ano em mulheres na pós-menopausa com osteoporose (BM 16549), a incidência de eventos do trato gastrintestinal superior em pacientes que receberam concomitantemente aspirina ou antiinflamatórios não esteróides foi semelhante nas pacientes tratadas com Bonviva (ibandronato de sódio) 2,5 mg diariamente ou 150 mg uma vez por mês.Em mais de 1.500 pacientes recrutadas no estudo BM 16549, que comparou a administração mensal e diária do ibandronato de sódio, 14% das pacientes usavam bloqueadores da histamina (H2) ou inibidores da bomba de prótons. Entre essas pacientes, a incidência de eventos gastrintestinais nas pacientes tratadas com Bonviva (ibandronato de sódio) 150 mg mensalmente foi semelhante à das pacientes tratadas com 2,5 mg diariamente.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Bonviva

Informações obtidas dos estudos clínicosTratamento da osteoporose pós-menopausaAdministração diáriaA segurança de Bonviva (ibandronato de sódio) 2,5 mg diariamente foi avaliada em 1.251 pacientes tratadas em 4estudos clínicos controlados com placebo. 73% destas pacientes eram provenientes de estudos preliminares detratamento de 3 anos (MF 4411). O perfil de segurança global de Bonviva (ibandronato de sódio) 2,5 mgadministrado diariamente em todos esses estudos foi semelhante ao do placebo. A proporção geral de pacientes queapresentou eventos adversos com relação causal possível ou provável com o medicamento em avaliação no estudopreliminar (MF 4411) foi de 19,8% para Bonviva (ibandronato de sódio) e de 17,9% para o placebo.Administração mensalEm um estudo de um ano em mulheres na pós-menopausa com osteoporose (BM 16549) a segurança global deBonviva (ibandronato de sódio) 150 mg uma vez ao mês e de Bonviva (ibandronato de sódio) 2,5 mg uma vezao dia foi semelhante entre os dois esquemas de tratamento. A proporção global de pacientes que apresentoureações adversas ao medicamento, isto é, eventos adversos com relação causal possível ou provável com omedicamento em estudo, foi de 22,7% para Bonviva (ibandronato de sódio) 150 mg uma vez por mês e de 21,5%para Bonviva (ibandronato de sódio) 2,5 mg diariamente. A maioria das reações adversas foi de intensidade leve amoderada. Na maioria dos casos, a reação não levou à interrupção do tratamento.A tabela a seguir relaciona as reações adversas que ocorreram em mais de 1% dos pacientes tratados com Bonviva(ibandronato de sódio) 150 mg mensalmente ou 2,5 mg diariamente no primeiro ano do estudo (Estudo BM 16549) enas pacientes tratadas com Bonviva (ibandronato de sódio) 2,5 mg diariamente no estudo sobre atividade contrafraturas de três anos (Estudo MF 4411). A tabela apresenta as reações adversas em dois estudos que ocorreram comincidência maior do que nas pacientes tratadas com placebo no estudo MF 4411.Reações adversas comuns (>1%, = 10%) no estudo BM 16549 de fase III em osteoporose (estudo de um ano) eno estudo MF 4411 sobre atividade contra fratura (estudo de três anos) que foram consideradas peloinvestigador como sendo possivelmente ou provavelmente relacionadas ao tratamento.

Bonviva – Posologia

Dose e duração do tratamentoA dose recomendada de Bonviva (ibandronato de sódio) para tratamento da osteoporose pós-menopausa é de umcomprimido revestido de 150 mg uma vez por mês. O comprimido deve ser ingerido, preferivelmente, sempre namesma data a cada mês.Bonviva (ibandronato de sódio) é um medicamento de uso contínuo, não havendo duração de tratamentodeterminada.Dose máximaA dose máxima de Bonviva (ibandronato de sódio) é 150 mg por mês. Uma dose esquecida pode ser tomada numintervalo de até 7 dias antes da próxima dose planejada. Caso a próxima dose planejada esteja a um intervalo inferiora sete dias, os pacientes não devem tomar a dose e devem aguardar até a data planejada da próxima dose. Ospacientes não devem tomar dois comprimidos de 150 mg dentro da mesma semana.Caso a dose mensal seja esquecida, os pacientes devem ser instruídos a tomarem um comprimido de Bonviva(ibandronato de sódio) 150 mg na manhã seguinte após se lembrarem, a menos que o intervalo para a próxima doseprevista seja inferior a 7 dias. Os pacientes devem, então, retomar o esquema de dose uma vez por mês na sua dataoriginalmente planejada. Se a próxima administração planejada estiver dentro do período de 7 dias, o paciente deveesperar sua próxima dose e então continuar a tomar um comprimido uma vez por mês conforme originalmenteplanejado. As pacientes não devem tomar dois comprimidos de 150 mg dentro da mesma semana.Os pacientes devem receber suplementação de cálcio e vitamina D se a ingestão pela dieta for inadequada.

Superdosagem

Não se dispõe de informações específicas sobre o tratamento da superdose com Bonviva (ibandronato de sódio). Entretanto, a superdose oral pode resultar em eventos adversos gastrintestinais tais como mal-estar gástrico, queimação, esofagite, gastrite ou úlcera. Em caso de superdose, deve-se administrar leite ou antiácidos que, ao se ligarem ao ibandronato de sódio, prejudicarão a absorção deste. Por causa do risco de irritação esofágica, não se deve induzir o vômito e o paciente deve permanecer completamente na posição ereta, sentado ou em pé.

Bonviva – Informações

A ação farmacodinâmica do ibandronato de sódio é a inibição da reabsorção óssea. In vivo, o ibandronato de sódioimpede a destruição óssea induzida experimentalmente causada pelo término da função gonadal, por retinódes e portumores ou extratos de tumores. Em ratos jovens tratados (fase de crescimento rápido), a reabsorção óssea endógenatambém é inibida, levando ao aumento da massa óssea em comparação aos animais não tratados.Os modelos em animais confirmam que o ibandronato de sódio é um inibidor altamente potente da atividadeosteoclástica. Em ratos em fase de crescimento não se evidenciou alteração da mineralização óssea, mesmo comdoses acima de 5.000 vezes a dose requerida para o tratamento da osteoporose.A potência elevada e a margem terapêutica do ibandronato de sódio permitem esquemas posológicos mais flexíveis etratamento intermitente, com longos intervalos sem medicamento em doses comparativamente baixas.www.roche.com.br Página 4 de 14Em ratos, cães e macacos, tanto a administração diária quanto a intermitente (com longos intervalos semmedicamento) associaram-se a formação de tecido ósseo de qualidade normal e/ou com resistência mecânicaaumentada, mesmo com doses além das farmacologicamente preconizadas, incluindo a variação de dose tóxica. Emhumanos, a eficácia do ibandronato de sódio, tanto em administração diária quanto intermitente, com intervalos livrede medicamento de 9 a 10 semanas, foi confirmada em estudo clínico, no qual se demonstrou que Bonviva(ibandronato de sódio) apresenta eficácia contra fraturas.Em mulheres na pós-menopausa, doses orais de Bonviva (ibandronato de sódio) tanto em administração diáriaquanto intermitente com intervalos livre de medicamento de 9 a 10 semanas por trimestre, produziram alteraçõesbioquímicas indicativas de inibição da reabsorção óssea dependente da dose, incluindo a supressão de marcadoresbioquímicos urinários de degradação do colágeno do osso (tais como, deoxipiridinolina e telopeptídeos C e N docolágeno tipo I).Após descontinuação do tratamento, observa-se reversão dos marcadores ósseos, de volta aos índices patológicospré-tratamento de reabsorção óssea elevada associada à osteoporose pós-menopausa.Análise histológica de biópsia óssea após dois e três anos de tratamento de mulheres na pós-menopausa mostroutecido ósseo de qualidade normal e ausência de sinais de defeito da mineralização.Em um estudo de bioequivalência de Fase I realizado em 72 mulheres na pós-menopausa que receberam 150 mg deIbandronato de sódio por via oral a cada 28 dias, perfazendo um total de 4 doses, observou-se inibição do CTX séricoapós a primeira dose, já nas 24 horas após a administração da dose (inibição média de 28%), observando-se inibiçãomédia máxima (69%) 6 dias depois. Após a terceira e quarta doses, a inibição média máxima 6 dias depois daadministração foi de 74%, reduzindo-se para 56% 28 dias após a quarta dose. Na ausência de doses subseqüentes,houve perda da supressão dos marcadores bioquímicos de reabsorção óssea.